12 outubro 2011

Osasco perde para Rabita Baku e enfrenta o VakifBank na semi

Osasco está classificado para a semifinal e pega o VakifBank, da Turquia, amanhã às 4h.


Por Thiago Leme
atualizado às 22:20


O Sollys Osasco foi derrotado pelo Rabita Baku nesta quarta (12) e ficou com a segunda posição do grupo B. Com o resultado o Osasco pega o primeiro do grupo A na semifinal, o VakifBank Istanbul, nesta quinta (13) às 4h.

No primeiro set, o Rabita Baku passeou em quadra e fechou em 25 a 12. A vantagem foi conquistada desde o início, com 8 a 4 no primeiro tempo técnico. Samara cometeu erros consecutivos e foi substituída por Silvana, mas a ponteira voltou a quadra no final do set. O bloqueio e o ataque do Rabita funcionaram com perfeição e o time do Arzebaijão chegou a segunda parada com 16 a 8. O time osasquense jogou tão pouco que Luizomar pediu um tempo em 15 a 8 e solicitou maior qualidade no saque. Não adiantou e o Rabita fechou o set sem tomar conhecimento das brasileiras.

No intervalo, Luizomar de Moura pediu tranquilidade e volume de jogo ao time. E foi o que aconteceu. O segundo set foi muito diferente e o Osasco entrou no confronto. A recepção melhorou e o bloqueio marcou melhor as adversárias, tudo o que pediu o treinador. Além disso, o  aproveitamento nos contra-ataques foi muito bom. O semblante também foi outro, as meninas estavam muito mais tranquilas e a vibração foi intensa. O resultado foi 25 a 23 para o Brasil, com parciais de 8/7 e 15/16 nas paradas, e como diz o narrador da ESPN "temos um jogo".

O terceiro set não começou bem e o Rabita começou com 5 a 0. O meio de rede, que foi mais acionado no segundo set, sofreu uma marcação melhor das oponentes. Luizomar substituiu Karine por Ana Maria, emprestada pelo São Bernardo para a competição, mas a levantadora titular voltou a quadra com o placar adverso em 12 a 4. A equipe diminuiu a diferença para 13 a 9, quando o técnico do Rabita pediu tempo e o arrumou seu time: 16 a 9 na segunda parada e 25 a 18 no set.

O Sollys Nestlé voltou pro jogo no quarto set, manteve novamente o equilibrio no placar e foi para as paradas com vantagem de 8/7 e 16/15. Assim como no segundo set, as brasileiras voltaram a aproveitar os contra-ataques. A defesa foi digna da escola asiática e o Rabita enfrentava dificuldades para colocar a bola no chão. O time osasquense chegou a estar vencendo por 19 a 17, deixou as adversárias virarem o placar em 21 a 19 e retomaram novamente a liderança, fechando em 25 a 23.  

O melhor jogo do mundial foi para o tie break. A levantadora Zhukova sacou sete vezes seguidas e decidiu o jogo a favor do Rabita: 15 a 6. 

O jogo foi bom para mostrar que o Sollys será uma equipe forte na temporada, com várias titulares a disposição do Luizomar de Moura. O Rabita jogou com todas suas estrelas e mesmo assim teve dificuldades para superar as jovens promessas brasileiras. A experiência que as jogadoras estão adquirindo com o torneio é muito importante na continuidade de suas carreiras.   

Os destaques da partida foram Osmokrovic, com 21 pontos, e Jú Costa, com 20 pontos. Nos fundamentos, vantagem para o bloqueio do Rabita Baku, com 18 pontos contra 8 do Osasco. Os erros, também, decidiram a partida, com 28 das brasileiras e somente 10 das oponentes.


Declarações:


Jú Costa - maior pontuadora do Osasco:
"Nós cometemos muitos erros, causando a derrota. Também tivemos problema com o bloqueio alto das adversárias"
"Espero que consigamos resolver esses problemas para vencermos amanhã"


Luizomar:
"Estou feliz com a nossa performance. Perdemos cinco das nossas principais jogadoras e jogamos com um time muito jovem. A Adenízia, Camila Brait e Samara são o futuro da nossa seleção."
“O jogo de hoje passa a ser fundamental para o de amanhã. Atuamos contra um bloqueio muito alto, no qual tivemos que pensar e arriscar em alguns momentos. Tivemos algumas decisões corretas e outras erradas, mas espero que essa nossa jovem equipe tenha amadurecido com o nível desta partida. Agora vale uma vaga na final e estaremos extremamente concentrados em busca deste objetivo. Sabemos de todas as dificuldades porque do outro lado teremos uma equipe acostumada a decisões enquanto no nosso time ainda temos algumas jogadoras que são juvenis, porém, o Sollys/Nestlé tem mostrado muito empenho e garra e isso pode ser o diferencial amanhã”
“Uma das vocações do nosso projeto é dar oportunidades e revelar novos talentos, colocando-os em alto nível. Tenho certeza que essa oportunidade que Samara, Bia, Ivna e Larissa estão tendo nessa competição será muito importante para o futuro de suas carreiras. A busca pela vitória é importante em toda a competição e penso que se aprendermos com o que aconteceu hoje teremos chances amanhã”



Zoran Gajic - técnico do Rabita Baku:
"Foi um grande jogo para assistir. O Sollys/Nestlé jogou melhor defensivamente, mas nosso bloqueio esteve muito forte. Acho que o principal motivo da nossa vitória foi porque as brasileiras cometeram muitos erros"


Mammadova - maior pontuadora da partida:
"Foi um jogo muito difícil para nós. Os dois times jogaram bem. E apesar de ser a nossa primeira participação nesse campeonato, acredito que podemos vencê-lo"

Confira as estatísticas da partida:

Mundial de Clubes – classificação e jogos
Osasco perde e enfrenta campeão europeu na semi