08 outubro 2011

Osasco estréia contra equipe tailandesa neste domingo às 4h

Jú Costa, Karine, Adenízia e Camila Brait comandam a equipe
Por Thiago Leme
Por Saque Viagem: declarações Luizomar

Foto: Kooji Sato
Ninguém pode negar que a equipe montada pela Nestlé para a temporada 2011/12 é muito forte e favorita a todos os títulos que disputa, tanto que já ganhou dois na temporada: Copa São Paulo, batendo o Volei Futuro na final, e o tricampeonato Sul-Americano, batendo o Universidade Católica do Chile. Mesmo com desfalques, o time não perde o ritmo e vem castigando seus adversários pelo Campeonato Paulista, mantendo a segunda posição, com a mesma campanha do líder Vôlei Futuro, perdendo apenas no set average. E é esse grupo, que vem fazendo boa participação no Paulista 2011, que disputa o Mundial de Clubes organizado pela FIVB e realizado no Qatar. 

Neste domingo às 4h da manhã, o Sollys Osasco enfrenta um time que é mais perigoso do que parece: o Chang da Tailândia. A Federação Tailandesa, assim como no ano anterior, envia as jogadoras da seleção local para jogar pelo time que vai ao Mundial. E o voleibol tailandês vem evoluindo nos últimos anos, tanto que o time do Federbrau deu trabalho para as brasileiras no ano passado, quando o Osasco foi vice-campeão. Confira as parciais: 25/15, 26/24 e 30/28. 

O time que vai ao Mundial não conta com força máxima, mas compensa com excelentes jogadoras e muita vontade. Muitas jovens que atuam pelo Sollys tem no Mundial uma oportunidade de mostrar o seu valor. Jú Costa, Karine, Adenízia e Camila Brait são as responsáveis por comandar as mais novas. Além das quatra atletas, deve completar a equipe titular: Silvana, Ivna e Bia. Luizomar falou sobre o assunto:

"Estamos focados no Mundial e essa é uma oportunidade que se apresenta para as atletas jovens participarem de uma competição tão importante como essa. No nosso grupo, temos meninas como Samara, Bia, Larissa, Silvana, Ivna e Helô que terão uma chance única e espero que as mais experientes deem o suporte necessário para elas", 

O Unilever/Rio de Janeiro desistiu do torneio Sul-Americano e ficou fora do Mundial porque sabia que não ia contar com suas principais atletas, mas o Sollys Osasco não fugiu da responsabilidade de representar o Brasil. Luizomar acredita em suas jogadoras:


"Estamos cientes das dificuldades, mas isso faz parte da vocação do projeto Sollys/Nestlé, que é encarar isso tudo. Por isso, aceitamos a disputa do Sul-Americano e também aceitamos representar o Brasil neste Mundial com um time muito jovem. Tenho certeza que de alguma maneira isso será muito válido para essas meninas. Espero que a falta de experiência seja suplantada com motivação e superação.”


Os desfalques do Sollys Nestlé servem suas seleções nacionais, Brasil e EUA, que se preparam para a disputa do Pan de Guadalajara. Fabíola, Thaísa, Jaqueline, Tandara e Hooker devem retornar somente após a Copa do Mundo, que termina em 18 de novembro.  

Neste sábado, a equipe turca VakifBank não teve dificuldades para derrotar o desfalcado Mirador, da República Domenicana. Os turcas são favoritas ao título, junto com o Rabita Baku, do Arzeibajão, e o Sollys Osasco.